//
archives

Comportamento

This category contains 12 posts

Revista O Grito! – Entrevista: Elisa Gargiulo

Líder da banda Dominatrix, Elisa Gargiulo fala sobre abuso e violência entre mulheres Por Renata Arruda Do Rio de Janeiro Em 1995, Elisa Gargiulo fun­dou uma das ban­das pre­cur­so­ras do movi­mento riot girl no Brasil: a Dominatrix, que mesmo após 17 anos, con­ti­nua ativa. Como ati­vista femi­nista, Elisa com­pa­rece a atos e pas­se­a­tas a favor dos direi­tos femi­ni­nos. … Continuar a ler

O feminismo, a submissão de Mara e as princesas de Sarah Sheeva

A imagem acima chegou até mim via Facebook e mostra como ainda se mantém vivo e desejável por uma parcela de mulheres o pensamento conservador e moralista que se antes era uma imposição à todos os seres nascidos com o sexo feminino, hoje é uma escolha consciente que encontra reforço principalmente nos adeptos do protestantismo evangélico. … Continuar a ler

Relacionamento: Quando eles se mudam (Teia Livre)

Por Renata Arruda Débora e Mihail se conheceram através de um jogo do Facebook. Conversa vai, conversa vem; entre pedidos de animais para fazenda e curiosidades sobre filmes os dois se apaixonaram e, dois anos depois, decidiram que era a hora de se casar. Seria mais um romance iniciado através da rede, cada vez mais … Continuar a ler

Precisamos de mais Elisas

No dia 21 de março aconteceu na Praça da Sé, em São Paulo, o Ato do Bispo, onde um grupo de cristãos se reuniu para protestar contra a legalização do aborto (que, diga-se de passagem, parece estar longe ainda de se tornar uma realidade no Brasil). Pois eis que a ativista feminista Elisa Gargiulo, líder … Continuar a ler

Regina e o fim do amor romântico

Regina Navarro é uma psicanalista moderna, cujas ideias são polêmicas: o pacto de exclusividade nos relacionamentos só serve para gerar sofrimento; casamento não é confessionário: “o que o outro faz quando não está comigo, não é da minha conta”; acredita que o cavalheirismo é uma forma de dominação; defende o poliamor e ainda diz que mesmo entre … Continuar a ler

Adele e a música para os ouvidos (Publicado nos portais Teia Livre e Scriptus Est)

“Não faço música para os olhos, faço música para os ouvidos” Foi a declaração de Adele a edição norte-americana da revista Rolling Stone. A essa altura acredito que todos já conheçam a cantora inglesa, ou pelo menos ouviram falar, devido ao enorme sucesso do álbum 21, lançado no início deste ano e que alcançou impressionante … Continuar a ler

Crônica – Só as mães são felizes (Publicada na Revista Cultural Novitas #12)

E de repente, um pedacinho de você muda completamente a sua vida. Tarefa difícil essa de ser mãe, viu? Começa quando os hormônios enlouquecem, você fica irritada, sensível, chora, se cansa, sente “um sono”, “uma fome”, vontade de comer coxinha de galinha às 7 da manhã, desmaia em plena Praça XV. E faz dietas, e … Continuar a ler

Matéria sobre mulheres e tatuagem: Não é coisa de mulher? (Publicado no site Universidade Livre Feminista)

“Esta é uma das principais formas de autoexpressão. Atualmente, mais do que a música, a variedade de estilos e as razões por trás delas podem dar uma visão geral do que está acontecendo na sociedade.” Kat Von D* Banner do evento TattooGirls Até alguns anos atrás, pessoas tatuadas eram marginalizadas pela sociedade. Ainda existem empresas que … Continuar a ler

Opinião: Do que se trata seu feminismo? – Publicado no Teia Livre

A cantora Alanis Morissette, feminista, membro do Equality Now, lançou em 2002 o CD “Under Rug Swept”, que dentre muitas faixas, havia uma muito curiosa,chamada “A Man”. Na época do lançamento, Alanis declarou: “Eu tive tendência a me concentrar mais em experiências negativas que eu tive com homens, e eu queria representar muito dos homens mais evoluídos também. Particularmente depois … Continuar a ler

Matéria sobre o movimento Riot Grrrls publicada no Blogueiras Feministas

A Música Feminista das Riot Girls Aqui no Brasil fala-se pouco sobre isso. Mas, segundo o The Guardian, mesmo após 20 anos, o movimento das Riot Girls (ou riot grrrls) continua relevante para meninas que buscam sua própria independência musical tocando rock. O movimento surgiu nos anos 90 como uma resposta ao machismo do movimento punk – … Continuar a ler