//
you're reading...
Comportamento, Opinião, Todos

Regina e o fim do amor romântico

Regina Navarro é uma psicanalista moderna, cujas ideias são polêmicas: o pacto de exclusividade nos relacionamentos só serve para gerar sofrimento; casamento não é confessionário: “o que o outro faz quando não está comigo, não é da minha conta”; acredita que o cavalheirismo é uma forma de dominação; defende o poliamor e ainda diz que mesmo entre as mulheres liberais pagar a conta do motel ainda é tabu. Regina reconhece que seus colegas de profissão não costumam concordar com ela quando o assunto é relação extraconjugal: “são um bando de caretas, sabia? Todos, sem exceção, justificam a traição dizendo que o casamento vai mal ou que o amor acabou ou porque um deles quer se afirmar. Gente, não é nada disso! As pessoas têm relação extraconjugal porque variar é bom, não porque o amor acabou!”, declarou em entrevista de três páginas à Marie Claire em 2011. Regina talvez se assemelhe à Jean Paul Sartre e Simone de Beauvoir nas ideias sobre amor livre (amores necessários X amores contingentes, definições de Sartre) e assim como à época dos filósofos, suas declarações – e estilo de vida – provocam muitas reações agressivas, principalmente entre os mais conservadores.

É interessante observar os comentários preconceituosos no site, e um em especial chamou a minha atenção: “Regina Navarro é bizarra, para chamar atenção destrói os afetos, as relações, os compromissos e pricipalmente o amor. Qdo a vejo falar, gordota, flácida, ácida,oralzona, fico imaginando a intensa sexualidade que diz viver…Regina, você é fake!”. Assinado por um homem? Não, uma mulher. Uma mulher que parece acreditar que uma outra, gorda e fora dos padrões que revistas como a própria Marie Claire nos empurram goela abaixo, não são capazes de ter uma vida sexual intensa e prazerosa. Talvez nem mesmo de serem amadas (sim, existe isso). E é bom que esta reação agressiva venha das próprias mulheres: Regina mexe no vespeiro ao se dirigir especialmente à nós, destruindo todas as crenças dos contos de fadas e comédias românticas que consumimos desde que nascemos e, tal qual Beauvoir, ser a prova viva de que funciona. É o tipo de coisa que coça, incomoda, mexe com a cabeça. 

A ideia que Regina realmente defende por trás de suas declarações, é que o grande mal dos relacionamentos hoje seria a crença no amor romântico. Veja bem, não no amor. Mas no amor romântico, aquele que nos faz idealizar o ser amado e passar o resto da vida nos frustrando por não conseguirmos nem adaptar o outro à nossa fantasia, nem nos sentir “completos” como acreditamos que aconteceria. E ainda mostra dados: segundo ela, 80% das pessoas se declaram insatisfeitas e decepcionadas no casamento, pelo modelo fechado e idealizado que nos acostumamos a acreditar. A alternativa natural e já em processo, é que nos voltemos menos para a renúncia de nossos desejos e projetos pessoais e mais para relações consensualmente livres. Vendo as reações, surge a dúvida: estaríamos preparados?

“A história das mentalidades nos permite perceber como as mudanças ocorrem. Se você afirmasse na década de 50 ou 60 que dentro de algum tempo as moças não se casariam virgens, diriam que você estava louca. Diriam que a sociedade não estava preparada para isso. Perder a virgindade era uma coisa terrível. Se você dissesse que dentro de algumas décadas, a separação seria comum, iriam dizer que você estava louca. Mulher separada era discriminada. Hoje é a mesma coisa. Muita gente pode resistir a isso, sempre há os conservadores e as mentalidades não mudam ao mesmo tempo.”

Dentro do contexto da individualidade, acredito que funcione e, até mesmo, seja saudável. Cada vez mais casais buscam morar em casas separadas, entrar sites de encontros (e há os exclusivos para pessoas casadas), casas de swing, relacionamentos abertos e por aí vai. Há de ter espaço para todos e a própria Regina reconhece isso: “Não seria certo que a regra fosse ‘agora todo mundo vai ter de transar com todo mundo’ e que os casais que optaram pela monogamia ficassem excluídos. O importante é que cada pessoa escolha sua forma de viver e não reproduza um modelo por inércia nem medo de sofrer preconceito”. Ufa!

Anúncios

About Renata Arruda

Redatora e tradutora.

Discussão

Ainda sem comentários.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: